Gratidão

“Se a única oração que você dissesse em toda a sua vida fosse “OBRIGADO”, seria suficiente.
Mestre Eckhart
 

Cultivo diariamente este valor na minha vida mas hoje, Dia Mundial da Gratidão, partilho também convosco o quanto a nossa vida muda a partir do momento que nos permitimos viver em gratidão.

Passei anos a agradecer apenas os bons momentos, os presentes, os elogios, o carinho, o amor,… Foram anos apenas a sentir gratidão pelo que me provocava felicidade, alegria, bem-estar. Também já passaram uns bons anos desde que aprendi e integrei um novo olhar, um novo sentir sobre a vida. Comecei a perceber que aquilo que inicialmente se apresentava como um infortúnio, desilusão, deceção, era, na verdade, uma grande janela por onde entrava uma lufada de ar fresco e perfumado e onde me deleitava (assim me permitisse) com uma bela paisagem muito mais inspiradora e enriquecedora. Percebi que tudo tem um propósito, uma razão de ser (quer a entenda naquele momento, ou não) e que a vida mais do que nos dar o que queremos, apresenta-nos o que precisamos.
Viver em gratidão é uma forma de viver a vida. Não é algo a que recorremos em momentos chave, pronunciando uma palavra: ‘obrigada’, permitam-me o trocadilho. É antes um sentir de dentro, um olhar atento de reconhecimento, um andar descalço pela vida em atitude de contemplação, de apreciação pela sua beleza e efemeridade.
Aprendi a valorizar ainda mais os bons momentos, a boa companhia, as boas conversas, o bom abraço, o pôr-do-sol (uma tela sempre com tonalidades diferentes), o luar, as estrelas, os pequenos gestos de quem gostamos (a forma como pega no copo, o sorriso de esguelha, o brilho no olhar, …). E todas as surpresas que a vida me brinda, de forma constante e inesperada. 
Aprendi a valorizar os momentos tristes, as circunstâncias infelizes e as pessoas difíceis. A dar valor por existirem e cruzarem o meu caminho. São eles que me permitem melhorar, contactar profundamente com a minha vulnerabilidade e, a partir dela, tornar-me mais forte e mais autêntica. É também a partir da adversidade que me permito corrigir erros. Ser e Fazer mais e melhor. Errar melhor numa próxima vez, até acertar. São as adversidades que nos retiram da zona de conforto, que aumentam a nossa consciência e nos permitem olhar melhor para dentro. Mergulhar mais profundo no autoconhecimento. Mas esta auto-observação não é um processo fácil, nem rápido, tão pouco linear. É doloroso, faz-nos perceber que a pessoa que julgávamos ser não existe, é apenas fruto da nossa mente. Percebemos que não somos ‘assim’ ou ‘assim’ porque toda a vida fomos. Somos como quisermos ser, assim tenhamos a coragem de nos enfrentar, a ousadia de nos desafiar e a habilidade e determinação para nos superar. Percebemos que tal como tudo na vida, somos seres em constante mutação e adaptação. Feliz de quem se permite progredir, evoluir e transcender.
Também aprendi que, tal como os outros são impulsionadores da minha transformação, também eu sou agente de mudança na vida dos outros, assim também eles se permitam percepcionar, ser e crescer. Esta consciência facilita o processo tornando-o mais leve, com significado e tudo passa a fazer mais sentido. Começamos a perceber que os outros são um espelho do que ainda não está resolvido em nós. Quando está deixa de ressoar.
Depende de cada um, observá-la (adversidade) como ameaça ou como benção. Tudo depende sempre de nós, da forma como fazemos a travessia. Posso achar que me vou afogar, que é muito doloroso e porque não confio nas minhas capacidades e estou desconectada de mim, me falta a vontade, confiança e energia para me ousar a superar e, por isso, não atravesso (não me permito crescer, porque não saio da minha zona de conforto); ou, posso estar absolutamente grata pela oportunidade de aprender a nadar pois sei que ao atravessar este desafio irei desfrutar de mares mais serenos e ousar mergulhar em novas aventuras, o que vai aumentar ainda mais o meu amor e confiança em mim e na vida (permito-me crescer e expandir a minha zona de conforto).  
A gratidão está de mãos dadas com a recetividade. É ela que nos premeia com o inesperado, o belo, o sincronismo. Para desfrutá-los com plenitude tem que existir conexão. A conexão não existe sem dar e receber. Precisamos de dar e precisamos de receber. Até conseguirmos receber de coração aberto, nunca vamos realmente dar de coração aberto (foi das aprendizagens mais valiosas que fiz, há uns anos). Para nos conectarmos e darmos ao mundo/ao outro, temos que primeiramente conectarmo-nos connosco, conhecer a beleza e beatitude de que somos feitos.
Sou muito grata à vida por todas as oportunidades de crescimento que me aproximam de quem eu (já) sou e de onde quero chegar/onde é o meu lugar. Acima de tudo, agradeço de coração, ao caminho do Reiki & Yoga que me tem facilitado todas estas experiências e aprendizagens. 

Se sentes dificuldade em sentir gratidão diante de circunstâncias adversas e não percebes porque é sempre tão difícil alcançar o que tanto queres e tanto te esforças, talvez esteja na altura de te permitires adquirir um novo sentir, uma nova forma de Ser e Viver. Se encontras sentido no que acabaste de ler, creio que te posso ajudar. Contacta-me para, juntos, decidirmos o que tenho de melhor para te oferecer.

Talvez tenhas interesse em ler outras pessoas a quem tive o privilégio de inspirar e facilitar a SER Feliz.

Gratidão _/|\_

 

Diana Feliz (137 Posts)

Diana Feliz, Terapeuta e Mestre de Reiki e Karuna. Professora de Yoga na Associação de Yoga Integral de Portugal. Fundadora do projeto SERFeliz, um projeto que nasce do coração. É lá que encontramos a nossa felicidade. Tem como pilares principais as técnicas e ensinamentos de dois métodos complementares: o Reiki e o Yoga, para inspirar pessoas a viver vidas mais felizes.


2 thoughts on “Gratidão

  1. Nuno Verdugo

    Grato por todo este texto,também eu comecei a ver a vida de forma diferente,principalmente desde que te conheci ,o Reiki deu me a luz que precisava para crescer espiritualmente,os seus princípios foram e são fundamentais para confiar ,agradeco à vida ,ao Amor,
    a tudo o que dou e recebo,ao que ganho e perco,quero também agradecer todos os meus dias a ti Diana.Grato

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *