Testemunho: Dina Moura

“Num determinado momento da minha vida em 2015, o meu irmão pergunta-me se quero fazer sessões de Reiki à distância, que tinha uma amiga que me poderia ajudar. Se há pessoa que me conhece bem é o meu irmão. Mas eu nunca tinha ouvido falar de Reiki. Desde 2013 que resido na Suíça, um país magnífico.
Eu conheço-me e vejo-me como uma pessoa muito ansiosa, mas olhando para trás, tenho sentido uma evolução tremenda.
 O Reiki, a meditação e as conversas com a Diana foram, em vários momentos da minha vida, o meu ponto de refúgio. Quando aqui cheguei  liguei para vários psicólogos e todos me diziam que apenas tinham uma vaga em agosto estando nós em Fevereiro, foi absurdamente desesperante para alguém que estava pela primeira vez a ter ataques de panico. 
Apesar de adorar viver aqui, senti que não tinha ninguém em quem confiar. Há certas coisas que ninguém gosta de contar a ninguém e vai ficando guardado num cantinho dentro de nós. Até explodir.
O que mais me impressionou na terapia foi a postura da Diana. Cada vez que lhe escrevia, a calma dela era /é soberba. Fico logo mais calma cada vez que recebo palavras dela. Tem tudo tanto sentido para mim, que só agora vou conseguindo realmente agradecer tudo o que me acontece. Até acontecimentos que à primeira vista parecem ser muito maus, têm um lado bom. Há sintomas no meu corpo que desvanecem passado uns dias do tratamento. 
Houve uma altura em que sentia sempre dores num dente do lado esquerdo e dores de cabeça. A dentista dizia que estava tudo bem. Depois percebi que há coisas que não estão bem é dentro de nós e, consequentemente se manifestam no corpo. 
Aprendi a dizer: “Está tudo bem”, mesmo que não esteja. Foi algo que inicialmente me deixou um pouco confusa. Mas qual é a lógica de dizer que está tudo bem quando me sinto tão mal?? Acho que os meus neurónios andaram aqui a discutir uns com os outros para tentar perceber se seria mesmo pertinente dizer algo que não sentia. Mas é ! É tão importante que passado uns tempos, em determinadas situações em que a ansiedade subitamente emergia, o meu primeiro pensamento era “está tudo bem”. Aliás, atualmente o meu pensamento é sempre “está tudo bem”. 
Eu era totalmente pessimista, reclamona, depressiva, cheia de remorsos, perdida. Desde pequena que me odiava por se rmagra. Mas na vida tudo muda, tudo se transforma. Por vezes, aquelas pessoas que pensamos ser más, precisam apenas de ser ouvidas. aquelas pessoas depressivas e ansiosas só precisam de alguém que não as julgue. E a Diana nunca julgou nada. Apenas me ouviu. É a minha terapeuta à distância. Eu sei que ela está lá e que com o Reiki me consegue devolver aquele equilibrio vital, aquela serenidade e aquela gratidão, que todos queremos ter, mas que nos escapa tão facilmente pelos dedos. 
Isto foi um processo demorado. Não se pense que de um dia para o outro as pessoas mudam e evoluem. É um processo com altos e baixos.
Sinto que evoluí como ser humano, que perdi medos, que tomo decisões mais facilmente. 
Muito da minha vida só foi possível porque do outro lado de um email está uma Diana Feliz que se dedicou de alma e coração para ajudar a construir uma Dina feliz. 
Gratidão Diana.”
Dina Moura
Diana Feliz (143 Posts)

Diana Feliz, Terapeuta e Mestre de Reiki e Karuna. Professora de Yoga na Associação de Yoga Integral de Portugal. Fundadora do projeto SERFeliz, um projeto que nasce do coração. É lá que encontramos a nossa felicidade. Tem como pilares principais as técnicas e ensinamentos de dois métodos complementares: o Reiki e o Yoga, para inspirar pessoas a viver vidas mais felizes.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *